20 Dicas de Filmes para inspirar professores


Através dos filmes nos inspiramos e refletimos a respeito de nossa prática. Confira as sugestões de nossa equipe:

Gênio Indomável

Gênio Indomável

Um garoto dotado de grande inteligência, mas que vive se metendo em encrenca. Sem família possui pouca educação formal, ele devora livros mas guarda tudo que aprende para si e procura empregos que dispensam qualificação. Um professor do MIT descobre que Will é um gênio e quer o garoto em sua equipe de matemática, mas, como Will tem problemas com a polícia, é preciso fazer um acordo com a justiça. São impostas duas condições: ele tem que trabalhar com o professor e fazer terapia. Sean McGuire (Robin Willians) é o terapeuta chamado para domar o difícil temperamento do rapaz. Ambos são igualmente teimosos, mas surge uma amizade que convence Will a encarar seu passado e seu futuro.

   
Uma mente brilhante

Uma mente brilhante

Baseado no livro A Beautiful Mind: A Biography of John Forbes Nash Jr., de Sylvia Nasar. O filme conta a história real de John Nash que, aos 21 anos, formulou um teorema que provou sua genialidade. Brilhante, Nash chegou a ganhar o Prêmio Nobel. Diagnosticado como esquizofrênico pelos médicos, Nash enfrentou batalhas em sua vida pessoal, lutando até onde pôde. Como contraponto ao seu desequilíbrio está Alicia (Jennifer Connelly), uma de suas ex-alunas com quem se casou e teve um filho.

 

   
Nenhum a menos

Nenhum a menos

As dificuldades encontradas por uma menina de 13 anos quando tem de substituir seu professor, que viaja para ajudar a mãe doente. Antes de partir, ele recomenda à garota que não deixe nenhum aluno abandonar a escola durante sua ausência. Quando um garoto desaparece da escola, a jovem professora descobre que ele deixou o vilarejo em direção à cidade em busca de emprego, para ajudar no sustento da família. Seguindo os conselhos de seu professor, ela vai atrás do aluno.

   
Duelo de titâs

Duelo de Titãs

Nos anos 70, numa cidade da Virgínia, a justiça determinou que as escolas deveriam promover a integração entre brancos e negros. Cumprindo a norma, a escola T.C. Williams substituiu o treinador de futebol americano Bill Yoast, branco, por Herman Boone, negro. Além de não ser bem recebido, o novo treinador tem que lidar com jovens que estão juntos pela primeira vez e que, por preconceito racial, não se dão bem. Mais do que o esporte, o racismo é o maior desafio que Boone enfrenta para levar o time adiante.

   
O clube do imperador

O clube do imperador

Baseado no texto The Palace Thief, de Ethan Canin, O Clube do Imperador conta a história de William Hundert, um professor apaixonado pelo trabalho que tem sua vida pacata e controlada totalmente mudada quando um novo estudante, Sedgewick Bell, chega à escola. Porém, o que começa como uma terrível guerra de egos acaba se transformando em uma profunda amizade entre professor e aluno, a qual terá reflexos na vida de ambos nos próximos anos.

   
Pro dia nascer feliz

Pro dia nascer feliz, de João Jardim (2006)

Documentário sobre as diferentes situações que adolescentes de 14 a 17 anos, ricos e pobres, enfrentam dentro da escola: a precariedade, o preconceito, a violência e a esperança. Foram ouvidos alunos de escolas da periferia de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco e também de dois renomados colégios particulares, um de São Paulo e outro do Rio de Janeiro.
Trata-se de um diário de observação da vida de adolescentes no Brasil em escolas públicas e particulares de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. O documentário flagra as angústias e inquietações dos alunos e como eles se relacionam no ambiente fundamental para sua formação.
http://www.youtube.com/watch?v=o-GoeKLAdoM

   
A onda

A onda, de Dennis Gansel (2008)

O filme alemão conta a história de um professor do Ensino Médio que, ao assumir um curso sobre autocracia, decide proporcionar uma experiência prática que explique os mecanismo de fascismo e poder.  No decorrer do enredo, o longa-metragem aborda o contexto de uma juventude desmotivada e descrente em um futuro diferenciado.
http://www.youtube.com/watch?v=ZbyCJEIRBaA

   
Ser e ter

Ser e Ter,de Nicolas Philibert (2002)

O documentário mostra a rotina de uma escola no interior da França em que crianças de várias idades dividem a mesma sala de aula, modelo educativo comum na região. Além de ressaltar a influência do educador na formação dos alunos, “Ser e Ter” abre a mente para as diversas possibilidades de educação.
http://www.youtube.com/watch?v=8qe-egnoEgE

   
The wall

The Wall, de Alan Parker (1982)

Com o roteiro escrito por Roger Water, ex-Pink Floyd, “The Wall” faz uma crítica ao ensino voltado somente para a acumulação de conteúdo, sem relacioná-lo com a rotina dos alunos, e também à opressão muitas vezes exercida por professores autoritários.
http://www.youtube.com/watch?v=vwIZgERvt1A

   
Waiting for Superman

Waiting for Superman, de Davis Guggenheim (2010)

A crise da educação pública nos Estados Unidos é o tema central do documentário, que apresenta ainda a busca incessante dos educadores por uma saída dentro de um sistema problemático.
http://www.youtube.com/watch?v=ZKTfaro96dg

   
Entre os muros da escola

Entre os muros da escola, de Laurent Cantet (2009)

O filme francês expõe o choque cultural e social dentro de uma sala de aula, entre professor e alunos que vivem em constante conflito.  Como sustentar um projeto pedagógico quando os estudantes não demonstram disposição e interesse é o foco da questão.
http://www.youtube.com/watch?v=9EAdkrVbzjU

   
A educação proibida

A educação proibida, de German Doin (2012)

O longa-metragem argentino, produzido de forma independente e disponível gratuitamente na Internet, mostra 45 experiências de ensino não convencionais. A ideia é incentivar que se repense as metodologias, valorize a diversidade educativa, a liberdade pedagógica e curricular. Assista, na íntegra:
http://www.youtube.com/watch?v=-1Y9OqSJKCc

   
Sociedade dos poetas mortos

Sociedade dos poetas mortos

Em 1959, John Keating volta ao tradicionalíssimo internato Welton Academy, onde foi um aluno brilhante, para ser o novo professor de Inglês. No ambiente soturno da respeitada escola, Keating torna-se uma figura polêmica e mal vista, pois acende nos alunos a paixão pela poesia e pela arte e a rebeldia contra as convenções sociais. Os estudantes, empolgados, ressuscitam a Sociedade dos Poetas Mortos, fundada por Keating em seu tempo de colegial e dedicada ao culto da poesia, do mistério e da amizade. A tensão entre disciplina e liberdade vai aumentando, os pais dos alunos são contra os novos ideais que seus filhos descobriram, e o conflito leva à tragédia.

   
Com mérito

Com mérito

Monty é um estudante de Harvard prestes a se formar. Quando seu computador quebra, ele fica apenas com uma cópia impressa de seu trabalho de graduação e corre pra tirar uma cópia, mas tropeça e o calhamaço cai no porão de um prédio. Ali se abriga o mendigo Simon, que pega o trabalho e chantagea Monty: para cada página do trabalho, ele quer um dia de casa e comida. E assim Monty e seus companheiros de república são forçados a conviver com Simon, um relacionamento que aos poucos se transforma em amizade. O mendigo está doente, teme morrer logo e começa a rever os erros de sua vida. E pode não ser culto, mas é capaz de ensinar algumas coisas sobre a vida para estes estudantes de Harvard.

   

A corrente do bem

 

 

 

 

 

 

A corrente do bem

Trata-se de um professor de Estudos Socias, que em seu primeiro dia de aula numa turma da 7ª Série lança uma proposta de trabalho para seus alunos tentarem desenvolverem o ano inteiro: pensarem em uma idéia para mudar o mundo e colocá-la em prática. O que seria só uma atividade, acabou se tornando um desafio para um dos alunos (Travor), que acaba criando uma corrente do bem, baseado no princípio de que ele iria ajudar três pessoas a realizar algo muito importante que sozinhas elas não conseguiriam (um mendigo, seu professor e um colega de classe) e estas pessoa teriam que passar o bem que lhes tinha feito adiante a outras três pessoas e assim sucessivamente. Essa corrente se expande e chega a outros lugares mudando a vidas das pessoas e despertando o interesse do repórter em remontar sua origem, quando depois de um acidente que destruiu todo seu carro, recebe de presente um carro novo de um desconhecido. O filme é sensível, emocionante, traz mensagens profundas sobre necessidade de mudança, como nossas vidas estão ligadas aos outros, a necessidade de construção de uma consciência social num mundo global... e tem final surpreendente. O diálogo entre professor e aluno é simplesmente brilhante. O filme tem "panos para mangas" como um desencadeador de discussões interdisciplinares: psicologia (perfil psicológico dos autores principais: aluno, professor, mãe do aluno, avó do aluno, mendigo, colega de sala, repórter), matemática (a lógica matemática da corrente do bem), linguagem (a obsessão do educador por uso de palavras de alto nível e a forma como estimula os alunos a pesquisarem seu significado), religião e filosofia (exploração de correntes religiosas, filosófica, personalidades que defendem o princípio de uma interdependência entre os homens), história e geografia (origem e lugares em que esses princípios foram aplicados) e outras mais que vocês poderão enxergar se chegarem a assistir.

   

Corrida para nenhum lugar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Corrida para lugar nenhum, de Vicky Abeles (2010)

O documentário "Race to Nowhere" (corrida para lugar nenhum), da estreante Vicky Abeles, critica à cultura da alta performance que impera nos subúrbios de classe média alta dos EUA.
Nossa vida emocional tem sido negligenciada por nossa cultura. Nossa educação, baseada em princípios cartesianos, coloca ênfase nos processos intelectuais e cognitivos. No entanto, a facilidade e bem estar, tão almejadas por todos, depende muito mais de nossos processos emocionais que dos intelectuais. Quase todos nós sentimos que a vida pode ser muito mais intensa. Ansiamos por melhores relacionamentos, pela conexão com o outro, pelo entendimento mútuo. Estamos sempre buscando maneiras indiretas, artificiais ou dissimuladas de experimentar emoções. Tomamos drogas, nos apaixonamos por uma pessoa intangível, ou vemos filmes românticos, de terror ou de aventuras, novelas, etc. Essas atividades nos proporcionam um gostinho daquilo que desejamos sem o risco da participação real. Obviamente, há uma necessidade premente de romper com o ciclo da violência e do entorpecimento emocional, principalmente na escola, onde os índices de agressão, rebeldia e violência são alarmantes. Uma maneira de fazer isto consciente no aprendizado da consciência emocional, despertando aspectos adormecidos de nossas mentes, desenvolvendo os fatores emocionais de nossa inteligência.
Mcluhan estabelece. "Não há diferença entre educação e diversão" Educar ludicamente não é jogar lições empacotadas para o educando consumir passivamente. Educar não é um ato inconsciente – é um ato consciente e planejado. É tornar o indivíduo consciente, engajado e feliz no mundo através da descoberta de si mesmo.
Para atingir esse fim, é preciso que:
a) os pais voltem a substituir o "amor máquina" pelo "amor afeto", para que a criança possa expandir sua força normal e naturalmente;
b) os mestres substituam o conteúdo empacotado, a rigidez, a passividade pela vida, pela alegria, pelo entusiasmo de aprender, pela maneira de ver, pensar, compreender e reconstruir o conhecimento.
A esperança de um educando, ao caminhar para a escola, é encontrar um amigo, um guia, um animador, um líder – alguém muito consciente e que seja capaz de dar-lhe as mãos para construir com ele uma nova história e uma sociedade melhor.
Para estimular a participação do aluno, o professor precisa atuar como facilitador do conhecimento, não apenas como condutor.
Interessante para refletirmos sobre o que aprendemos e o que ensinamos, além de como avaliar.
http://www.youtube.com/watch?v=Uem73imvn9Y

   
Escola da vida

Há um novo professor na cidade, e ele está promovendo um verdadeiro pandemônio na Fallbrook Middle School. Ele é atraente, simpático e informal. Os alunos amam o sr. D (Ryan Reynolds, de Horror em Amityville). Os professores também o admiram... com exceção de Matt Warner (David Paymer, de Em Boa Companhia), o ansioso professor de biologia, que sonha em ganhar o prêmio de Professor do Ano. Seu pai, Stormin? Norman (John Astin, de Os Espíritos), foi Professor do Ano durante 43 temporadas seguidas, e Matt está determinado a fazer deste o seu ano. Mas com o sr. D (Michael D´Angelo) em cena, Warner vê sua chance escapar. Ele não consegue competir com quem até seu próprio filho admira. Mas há um segredo que pode mudar o jogo. O diretor William Dear faz uma ponta como um astronauta.

   
Corrente do bem

Eugene Simonet (Kevin Spacey), um professor de Estudos Sociais, faz um desafio aos seus alunos em uma de suas aulas: que eles criem algo que possa mudar o mundo. Trevor McKinney (Haley Joel Osment), um de seus alunos e incentivado pelo desafio do professor, cria um novo jogo, chamado "pay it forward", em que a cada favor que recebe você retribui a três outras pessoas. Surpreendentemente, a idéia funciona, ajudando o próprio Eugene a se desvencilhar de segredos do passado e também a mãe de Trevor, Arlene (Helen Hunt), a encontrar um novo sentido em sua vida.

   

Uma Lição de Amor

Sam Dawson (Sean Penn) é um homem com deficiência mental que cria sua filha Lucy (Dakota Fanning) com uma grande ajuda de seus amigos. Porém, assim que faz 7 anos Lucy começa a ultrapassar intelectualmente seu pai, e esta situação chama a atenção de uma assistente social que quer Lucy internada em um orfanato. A partir de então Sam enfrenta um caso virtualmente impossível de ser vencido por ele, contando para isso com a ajuda da advogada Rita Harrison (Michelle Pfeiffer), que aceita o caso como um desafio com seus colegas de profissão.

   

Escritores da Liberdade

Hilary Swank, duaz vezes premiada com o Oscar, atua nessa instigante história, envolvendo adolescentes criados no meio de tiroteios e agressividade, e a professora que oferece o que eles mais precisam: uma voz própria. Quando vai parar numa escola corrompida pela violência e tensão racial, a professora Erin Gruwell combate um sistema deficiente, lutando para que a sala de aula faça a diferença na vida dos estudantes. Agora, contando suas próprias histórias, e ouvindo as dos outros, uma turma de adolescentes supostamente indomáveis vai descobrir o poder da tolerância, recuperar suas vidas desfeitas e mudar seu mundo. Com eletrizantes performances de um elenco de astros, incluindo Scott Glenn (Dia de Treinamento), Imelda Stauton (Harry Potter e a Ordem da Fênix) e Patrick Dempsey (Grey's Anatomy), ganhador do Globo de Ouro. Escritores da Liberdade é basedo no aclamado best-seller O Diário dos Escritores da Liberdade.


blog comments powered by Disqus