Ensino-aprendizagem no século XXI


TecnologiaEm relação a competências e habilidades para o século XXI pode-se afirmar que:

a) não dá mais para centrar a aula em conteúdos, mas sim em adquirir habilidades que por sua vez levam o aluno a algumas competências;

b) as competências precisam ser desenvolvidas para a resolução de problemas que vão surgindo no decorrer da vida;

c) não basta saber, mas também saber fazer. Falta muito ligar os saberes com a prática do dia a dia;

d) o uso das tecnologias contribui para a autonomia e criatividade na aquisição dessas competências necessárias na resolução de problemas;

e) o professor do século XXI precisa ter competência para flexibilizar o currículo de acordo com o interesse e necessidade dos educandos, saber utilizar as tecnologias para produção de conhecimento tanto seu quanto dos alunos, tornar-se também um aprendiz, propor trabalhos colaborativos.

O aluno do século XXI precisa adquirir competências para resolução de problemas, para aprender a aprender, trabalhar de forma cooperativa, exercitar a autoria, tornar-se empreendedor. Os educadores e gestores parecem já estar conscientes da necessidade de mudanças na educação, porém existe ainda uma distância entre o que se diz e se faz na escola, na maioria dos casos.

O que nossos alunos precisam aprender para conseguirem ser felizes em sua vida profissional e pessoal? Vamos elencar algumas habilidades que pensamos ser da maior importância:

a) Habilidades para pesquisar (procurar, selecionar, guardar, compreender, depurar,elaborar);

b) Autores de sua Aprendizagem (Argumentar, fundamentar, questionar com propriedade, propor e contrapor);

c) Usar Tecnologias Digitais (interagir através de e-mail, procurar e selecionar na Internet, editar, desenhar, hospedar, publicar, simular, experimentar);

d) Colaboração em prol da aprendizagem (propor, sugerir, criticar, questionar).

É possível desenvolver essas habilidades em uma prática tradicional, centrada no professor e nos conteúdos específicos elencados por ele?

Quais os desafios da educação no mundo contemporâneo? 

A escola fragmentada, dividida em disciplinas e grades curriculares, e distante da vida dos professores e alunos, se depara, a cada dia, com um mundo que faz perguntas cada vez mais globais e urgentes, como a necessidade de considerar o todo, o planeta, a cidade.

Como reconhecemos bons professores?
                           
Infelizmente ainda há muita resistência por parte dos profissionais de educação em mudar as estratégias de ensino. O tradicionalismo impera na maior parte do país. Enquanto não nos conscientizarmos da urgente necessidade de mudança não avançaremos.

Aqueles que se destacam são motivadores, otimistas e apaixonados. Ousam em suas aulas utilizando possibilidades variadas de atuação e não repentem modelos e técnicas enraizadas.

Necessitamos de Resiliência
                             
A palavra resiliência apresenta várias definições de acordo com a área em que se emprega o termo. Entretanto, todos os significados conduzem ao mesmo entendimento convergindo para um ponto central. Daí a sua validade para o emprego na área educativa. 

Essa palavra tem origem no latim. Resílio significa retornar a um estado anterior. Na engenharia e na física ela é definida como a capacidade de um corpo físico voltar ao seu estado normal, depois de ter sofrido uma pressão sobre si. Em ciências humanas representa a capacidade de um indivíduo, mesmo num ambiente desfavorável, construir-se positivamente frente às adversidades. 

Vários estudos revelam que a partir da promoção da resiliência as pessoas apresentam: capacidade de resolver problemas, autonomia, controle interno, boa autoestima, empatia, desejo e capacidade de planejamento e senso de humor. 

Uma observação oportuna é que essas pessoas, em vez de saírem traumatizadas após serem submetidas a grandes problemas, ao contrário, sentem-se mais competentes para encarar os desafios inerentes às crises. 

Então, sejamos resilientes e inquietos buscando transformações efetivas.

A pedagogia da mudança não condiz com seres pacatos, mas exige pessoas dinâmicas e dispostas a se fazerem presentes.

Aprendendo para mudar, mudando para aprender

Versão legendada em português de um vídeo no qual diversas empresas falam das exigências atuais postas à escola, na tarefa de formar cidadãos no Século XXI. A necessidade de incorporar as tecnologias digitais é destacada.

Vale a pena assistir e refletir:

Saiba mais

Pedagogia de Projetos - Ano letivo sem mesmice

A presente obra se preocupa em alertar os docentes para que não transformem seus alunos em meros espectadores, em uma plateia que concorda com tudo, sem argumentar e criar. Assim sendo, por meio de artigos, reflexões e sugestões de aulas, apresenta a base da Pedagogia de Projetos – onde o aluno é o autor de sua própria história. Torna-se um material fundamental ao professor no momento de planejar atividades originais e dinâmicas no decorrer do ano letivo, sugerindo projetos que fogem do tradicional, mas a partir das temáticas que as escolas costumam trabalhar.  Neste sentido, as datas comemorativas valorizam a participação ativa dos educandos, propondo-os vivências de situações – problema sobre os quais terão de refletir e se posicionar.

O livro não tem a pretensão de ser um guia, mas sim de inquietar e mostrar caminhos possíveis, diferentes do habitual para que, pouco a pouco, os professores possam ousar e desenvolver trabalhos significativos com base em projetos.

Livro editado pela WAK Editora - Autora: Paty Fonte / Formato: 17x24cm - 192 páginas

 

 

 

 

 

 

blog comments powered by Disqus